O Famoso Passaporte Europeu e os Jogadores da Eurocopa

Eurocopa 2021

Grande final da Eurocopa, você já prestou atenção aos brasileiros que atuaram pelas Seleções Europeias?

A Eurocopa vem dando um show no quesito de futebol bem jogado. Muitas equipes extremamente qualificadas disputam o título. Apesar de grandes seleções terem tropeçado no caminho, vem aí um clássico como final: Inglaterra e Itália.

A última derrota da seleção Italiana foi em junho de 2018, de 3 a 1 pra França. Depois, não perdeu mais, segue invicta. A Inglaterra, nos últimos 20 jogos, tomou apenas 4 golos (gols). A promessa é de um jogo eletrizante!

E pra quem tem assistido a Euro, muitas vezes ouve os narradores esportivos comentarem nos jogos da seleção da Itália: “A seleção da Itália tem 3 Brasileiros!” . Mas como assim? Como a seleção da Itália tem brasileiros?

Vamos ao que nos interessa, realmente, na seleção da Itália encontramos: Jorge Luiz Frello Filho (Jorginho), Rafael Tolói e Emerson Palmieri, todos eles possuem duas nacionalidades: Brasileira e Italiana.

Como é possível? Eles são os únicos brasileiros que possuem duas nacionalidades, que jogaram na Eurocopa?

Segundo jornal Italiano, Rafael Tolói disse em entrevistas que tem Bisavós Italianos. Além disso, reside na Itália há mais de 5 anos, desde que começou a jogar pelo Atalanta na temporada de 2015/2016.

Jorginho, também em entrevista, informou tem descendência de Italianos por linha paterna, atuou toda sua carreira profissional na Itália, desde os 15 anos de idade. É um dos destaques da Seleção Italiana.

Emerson Palmieri, por sua vez, em sua bibliografia diz que herdou a nacionalidade da sua mãe Italiana. Atuou por 4 anos na Itália, atualmente joga no futebol Inglês.

Mas os Brasileiros não param por aí… devemos destacar também, o brasileiro Thiago Alcântara, que jogou contra a Itália, representando a seleção Espanhola, na semifinal.

Ele possui tripla nacionalidade: Tem ascendência brasileira, nasceu na Itália e morou na Espanha desde sua adolescência. Representou a seleção espanhola em todas as categorias e é filho de Mazinho, ex-jogador campeão do mundo pela Seleção do Brasil em 1994.

Além destes, também existem brasileiros que representaram outras países, por exemplo, a Ucrânia, Rússia e Portugal.

Na Ucrânia, quem possui a dupla nacionalidade é o Marlos Romero Bonfim. Jogador foi destaque no país e recebeu o convite para a naturalização e tem sido muito importante para a sua seleção.

Na Rússia, o Brasileiro que joga pela seleção possuindo dupla nacionalidade é o Mário Fernandes. Atuando no país desde 2012 pelo CSKA Moscow e sendo um grande destaque, sua naturalização estava inclusive com previsão contratual na renovação do contrato, segundo entrevistas.

E pra finalizar os brasileiros que atuaram na Eurocopa, temos o famoso Pepe, que representou Portugal, pois adquiriu sua cidadania portuguesa por tempo de residência, atuando em Portugal de 2001 até 2007.  Mais tarde, já em 2019, ele voltou a atuar em Portugal, pelo Porto.

Agora, me digam, na opinião de vocês esses jogadores fazem falta na seleção Brasileira? Estão assistindo a Eurocopa? Quem vai se consagrar campeão, Itália ou Inglaterra?

Essa é mais um dos muitos alcances da cidadania europeia que tanto falamos aqui no nosso blog. O que você acha desse caminho? O que você acha da aquisição de uma segunda cidadania nesses casos? Comente aqui.

Texto: Emanuel Fernandes – Advogado, OAB/SP. Pós-graduado em Direito Internacional e Pós-graduando em Direito Empresarial que atua no âmbito do Direito Internacional e Empresarial em parceria com a equipa GMF Legal Associates e Carolina Felix Advogados. Apaixonado por novas culturas, futebol e família.

Conheça aqui um pouco mais do trabalho dos nossos advogados em Portugal e compartilhe nos botões abaixo este artigo para que nossa mensagem chegue cada vez mais longe.

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Após se cadastrar você poderá receber informações, notificações e eventualmente e-mails com nossos conteúdos e ofertas relevantes.

* preenchimento obrigatório